Memories that faded

Memories that faded

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Memories that faded

Mensagem por Theodore Von Liech em Sex Jul 18, 2014 11:45 pm

Memories that faded...


Personalidade


Como explicar para vocês a minha personalidade? É algo que nem eu mesmo sou capaz de compreender. Afinal, em Mortiri descobri que para cada tipo de situação, existe um Theodore. Não tenho lembranças de quem sou, por isso, tenho cara de inocente e as vezes até sou meigo. Porém, como já lhe disse antes, sou daqueles que tem várias facetas. Bipolar? Talvez... Quem sabe? Sou uma pessoa confusa, que ao mesmo tempo possui o jeito de um bobo, também pode ser um selvagem, capaz de lutar por sua vida. Em outras palavras, é como viver em um dilema, como andar em uma corda. Sempre estou entre a fronteira do bem e do mal, porém, nunca vou saber dizer em que lado estou.





Historia


A parte difícil de contar a história de sua vida, é não se lembrar do seu passado. Não sei dizer quando, ou onde tudo o começou. Mas, através dos tempos, consegui montar esse grande quebra-cabeça que faz parte da minha memória. Quem sou? Nem mesmo eu sei dizer. Se o que voltou contar para vocês é verdade? Ai é vocês que terão que julgar, pois, nem eu mesmo sei o que é verdade e o que é mentira.

Minha família é de uma pequena cidade na Rússia, onde meu pai parecia ter muitos negócios. Éramos praticamente os donos da cidade e aquilo me fazia um herdeiro de um suposto império. Porém, isso não significava alegria para mim. Muito pelo contrário, pois, isso apenas me gerava mais cobranças por parte do meu pai. Como eu era o único filho, ou pelo menos é o que me lembro, ficaria com toda a grana e negócios do velho e para isso, ele exigia que fosse o melhor. Desde pequeno tive os melhores professores a minha volta. Mas, a minha vida não era ficar naquele lugarzinho. Meus sonhos iam além. Sonhava com um futuro maior, com algo que fosse construído por mim. Resultado? Muitas brigas com meu pai, o que não era nada bom para a minha querida mãe, que por sua vez, ficava na linha de fogo.

Segundo o que as pessoas diziam, os negócios do meu pai não eram nada legais. Muito pelo contrário, ao que parecia, o velho era um importante membro da máfia russa. O que eu tinha ver com isso? Sei lá! Perguntem para aquele maluco. Mas, essa parte não vem ao caso, exceto por ele sempre ser contra as minhas escolhas. Ao contrário do que meu pai desejava, sempre tive uma atração pelas artes. Era um bom desenhista e também dominava vários instrumentos musicais. Para irritar meu amado pai, despertei uma paixão pelo rock americano, o que o deixou louco da vida. Resultado? Tive que mudar de cidade, estudar numa escola bem longe dele. Confesso que adorei essa ideia dele e finalmente, após uma vida inteira, finalmente concordávamos em algo.

Na nova cidade, onde fui parar, logo aprendi me virar. Passei de um estranho caipira a sensação da escola. Tinha um companheiro de crime, este era Dreec Morris, um jovem que me ensinou como era bom a vida na cidade. Porém, aquilo era apenas o começo da loucura. Passei a beber, usar alguns tipos de droga e por que não, injetar também. Minha vida era uma loucura e as minas notas iam além do que meu pai achava que eu conseguiria. Como eu conseguia tal coisa? Eu não sei... Apenas acontecia. Mas, no fundo acho que a questão era o seguinte. Eu fingia-me de marrudo, dizia que não prestava a atenção nas aulas, mas sempre ouvia o que os professores diziam, talvez por isso, muitos deles ainda não desistiram de mim.

Mas, não sabia no que estava me metendo. Ou melhor, não tinha ideia alguma do que o futuro me reservava. Mas antes disso, preciso dizer a vocês que por algum milagre do destino, consegui acertar as contas com meu pai. O velho finalmente havia dado o braço a torcer e percebeu que era capaz de me cuidar. Até deixou que eu fizesse uma tatuagem igual a dele, uma rosa negra, a qual tinha sangue pingando da sua ponta. O que significava? Ele disse que na hora certa eu iria saber, mas no fundo, o velho não tinha ideia que não haveria um futuro para mim. Tudo aconteceu em um dia de aula, para variar, estava completamente bêbado, havia passado a noite com uma destas vadias. Tá ligado? Um grande boom tomou conta do meu ouvido, quase me deixando surdo. O que aconteceu depois? Eu já não faço ideia mano, quando me dei conta, estava trancando aqui... Em Mortiri... Mas, isto eu vou contar para vocês no decorrer dos dias... Nas outras páginas deste diário...





Relacionamentos


Romena Klattes Blavatsky – Uma relação aparentemente de amizade. Rome possui um mistério que chama a minha atenção. Seus segredos me atraem para mais perto de si.

Dreec Morgan Morris – é um amigo de infância, segundo as suas palavras. Não me lembro de tudo o que passamos, porém, ele diz que me ajudará a recuperar a memória e sendo meu companheiro de quarto, passa a noite contar histórias que segundo ele, foram protagonizadas por nós dois.

Ackysa Flën Goltory – a relação mais complexa que encontrei em Mortiri. Ackysa, ou Ysa, como a chamo carinhosamente, mexe com as minhas emoções, desperta um lado emocional que ainda não havia descoberto. Sinto que o que temos possa ir além de uma simples amizade. Tenho a necessidade de protege-la, de evitar que se machuque... Algo que até hoje não senti por ninguém. Era como se a conhecesse de algum lugar.

Rosie Fell Wayland – é a pessoa que mais confio dentro de Mortiri. A conheci no tempo de escola e nossa amizade era mais do que especial. Antigamente tínhamos uma amizade colorida, uma vez que fomos para cama diversas vezes. Foi com Rosie que consegui a minha primeira lembrança, o que me rendeu um beijo caloroso. A jovem passou a me ajudar a recuperar a minha memória, porém, sinto uma atração muito forte por ela e as vezes tenho que me segurar para não agarrá-la.

Sarah E. Longstride – podemos dizer que trata-se da minha ficante, quase namorada em Mortiri. Conheci a jovem nos corredores abandonados, onde foi uma hora de muitas coisas loucas. No início relutamos contra o nosso desejo, porém, acabamos na cama. Sarah tem um jeito frágil, já sofreu muito na vida e isso me faz a querer proteger. Ainda continuamos juntos e ela sabe de tudo o que sinto, inclusive das outras garotas. Confio extremamente nela e sempre vou para seus braços quando estou carente. Ela me compreende e me faz se sentir seguro.


Theodore Von Liech
THANKS, CLUMSY @ SA


Última edição por Theodore Von Liech em Sab Jul 26, 2014 12:54 am, editado 1 vez(es) (Razão : <center><link href='http://fonts.googleapis.com/css?family=Lato:100' rel='stylesheet' type='text/css'><div style=)
Player :
Nenhuma

Ala :
Nenhuma

Idade :
Nenhuma

Frase :
here you have no choise, no peace and no hope

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Memories that faded

Mensagem por Theodore Von Liech em Sab Jul 26, 2014 12:56 am

CÓDIGO:
MEMORIES THAT FADED
Capítulo 1


A minha vida havia se transformando desde que cheguei a este lugar. Mortiri era um verdadeiro inferno, porém gelado. Muitas coisas aconteceram aqui e as experiências eram as vezes agradáveis e as vezes não. Porém, eu não me importava com tudo isso. Estou vivendo um dia de cada vez, me reinventando aos poucos. Mas, as vezes sinto medo, acho que a morte é o melhor para mim.
Não sei dizer exatamente como cheguei a este lugar. Para ser sincero, muitas dúvidas pairam em minha mente. Lembro-me de ter acordo em lugar estranho, talvez um hospital. Tinha ferimentos por todo o meu corpo, porém, o mais grave era em minha cabeça. Não vi muita coisa no trajeto que fizeram, resultando aqui, neste lugar com paredes mortas e sem vida. O que fazer? Não tinha o que fazer. Quando cheguei a Mortiri, não sabia o meu nome. Aqui me chamam de Theodore, porém, só fui acreditar que era meu nome de verdade dias depois, quando encontrei Dreec e Rosie, ambos me conhecem do tempo da escola e embora não me lembrasse do rapaz, a menina fora a única a me despertar qualquer tipo de lembranças, por isso, acredito neles.

A comida aqui não é nada bom, muito pelo contrário. Tudo era horrível. Mas para ser sincero, conheci pessoas muito legais aqui. Pessoas que vou carregar para toda a minha vida em meu coração e que não me vejo sem elas no lado de fora. Graças a estas novas amizades, me tornei mais forte, sendo capaz de vencer qualquer problema. São elas que me matem vivo durante todos estes dias, já que tudo em mim parece morrer aos poucos. Ainda tenho vontade de escrever, cantar, até de desenhar, porém, não tenho nada que possa me ajudar com isso. Dreec e Rosie disseram que eu tinha uma gaita, presente do meu pai, e a tocava muito bem. Porém, ela não veio para cá junto comigo.

Depois de Dreec ser “trancando” na mesma cela que eu, o rapaz decidiu que faria de mim o seu experimento cientifico. Ele parecia ter um plano em mente, porém, para isso ele disse que eu tinha que melhorar. Dreec me contava todas as noites histórias sobre o nosso tempo fora de Mortiri, na visão do cara, eu era um verdadeiro bad boy e de certa forma, gostava um pouco daquilo, sendo que se parecia muito com uma das muitas personalidades que eu possuía. Naquela mesma semana, conheci uma jovem, chamada Eleanor, mas nada muito sério. A vi apenas uma vez, nos corredores abandonados, onde transamos. Outra garoa que me chamou a atenção, foi Romena, uma ruiva muito sapeca com cara de boneca. Ela me salvou de se meter em uma confusão em certa ocasião que surtei e acabei por tirar a minha roupa. Eu fui praticamente atacado pelas meninas que ali estavam, ela também tirou sua casquinha, sendo mais esperta no final e me levando para o fundo da livraria, onde ganhou sua recompensa.

Em uma das minhas visitas a enfermaria, uma vez que vivia com dor de cabeça e tendo alucinações, conheci Ackysa, uma francesa muito louca. A jovem tinha espécie de compulsão por agulhas e aquilo era estranho. Quando a encontrei estava machucada e tive que cuidar dela. Não sei explicar exatamente o que o aconteceu, mas a garota despertou em mim um sentimento de bondade. Eu queria proteger Ysa de todos os sofrimentos e jurei a mim e a ela que faria isso. Claro que isso tornou-se algo maior com o passar dos dias, tendo em vista que acabamos por nos aquecer e nos beijando naquele mesmo dia, porém, não passou disso. Mas, ainda sim sinto a necessidade de ficar ao lado da garota.

Por fim, em outra visita aos corredores abandonados, conheci uma morena encantadora, seu nome é Sarah. A jovem, assim como eu tinha um jeito meio maluco, como se tivesse duas personalidades. Ela foi meiga e doce no início, porém, as vezes mostrava um lado sensual. Foi um negócio diferente, porém, no final, os desejos foram mais fortes e quando me dei conta, estava rolando com a garota em uma cama, foi um sexo feroz. Porém, assim como Rosie e Ysa, a morena ganhou seu espaço em meu coração, embora tivesse um pouco na frente, já que sempre nos encontramos pelos corredores e trocamos beijos.

Por fim, encontrei Rosie, uma jovem perfeita. A menina me encontrou por acidente, mas como eu já disse anteriormente, ela já me conhecia de fora de Mortiri. Fora naquele dia no pátio que tive as minhas primeiras lembranças, o que ficou meio que evidente que minha amizade com a garota era colorida. Rosie mostrou-se uma verdadeira amiga, roubando meu coração com seus encantos. Com ela eu comecei a apresentar melhoras, porém, também entrei numa grande confusão. Era um garoto sem memória, no meio de três belas garotas. O que vou fazer?

Semana 1– Mortiri – Theodore
Lumsx
Player :
Nenhuma

Ala :
Nenhuma

Idade :
Nenhuma

Frase :
here you have no choise, no peace and no hope

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum